Qlikview – Uma Odisséia Histórica

Fazem 8 anos que trabalho com Qlikview e 3 com Qlik Sense (lançado em 2014), mas a história do Qlikview começou a mais de 20 anos.

Entre maio de 2012 e Agosto de 2013 Henric Cronström , Technical Product Advocate, escreveu uma série de artigos na Qlik Community onde ele descreve a Odisséia Histórica do Qlikview desde a sua concepção até a release 8, periodo em que houveram os maiores saltos evolutivos do produto.

Então decidi reunir neste artigo  referências a todas as publicações relacionadas a Odisséia do Qlikview que foram escritas pelo HIC (ele assina com suas iniciais nas publicações da community) . Para cada uma delas descrevo algum fato interessante, e o link para o artigo original que contem muitas outras curiosidades.

Vamos lá:

1. Começando pela definição de  QlikTech que na realidade é um acrônimo para Quality, Learning, Interaction, Knowledge) + Technologies.  Bem no início a empresa se chamava QuikTech, um acrônimo para Quality, Understanding, Interaction, Knowledge) + Technologies. Dai derivou o nome QlikView (Qlik + View).

https://community.qlik.com/blogs/theqlikviewblog/2012/06/12/quality-learning-interaction-knowledge

2. No inicio era difícil descrever o que era o Qlikview. Um sistema de inferência lógica com uma interface visual que usa padrões de cores para descrever associações ? Não era uma boa forma de descrever o produto. Em 1996 foi cunhado o termo técnico “Associative Query Logic”  o tal do AQL para descrever a tecnologia por trás do Qlikview.

https://community.qlik.com/blogs/theqlikviewblog/2012/11/06/what-is-qlikview

3. Em 1994 foi lançado a versão 1 do Qlikview. Desde a versão 1 é que existe o conceito do documento que contem todos os artefatos necessários (copia dos dados, definição do Layout, definição de como os dados devem ser carregados)

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2012/06/22/a-historical-odyssey-qlikview-1

4. Em 1996 foi lançado a versão 2 . Em razão da portabilidade para código de 32 bits boa parte do código foi reescrita e houveram vários problemas de estabilidade do produto. Nessa versão é que foi implementado o conceito de documentos múltiplos que podiam ser abertos simultaneamente pela aplicação.

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2012/07/04/a-historical-odyssey-qlikview-2

5. Em 1997 foi lançado a versão 3 . Foco em melhoria no processo de carga de dados e introdução da versão de teste por 15 dias. Os comandos de script  Join, Concatenate, Crosstable, Intervalmatch, resident load, preceding load, Group by, Peek, Previous, and Variables foram introduzidos nesta versão.

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2012/09/04/a-historical-odyssey-qlikview-3

6. Qlikview 4 é lançado em 1999. Nesta versão foram incorporadas várias funcionalidades baseadas em requisitos de clientes . Foi nesta versão que as macros VB foram implementadas.

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2012/10/10/qlikview-4

7. Lançada no ano 2000 a versão 5 foi mais focada em estabilidade e consolidação de funções. Nesta versão alguém inventou o recurso da borda Arco-Íris. As ultimas releases desta versão começaram a vir com instaladores de 64 bits para processadores Itanium da Intel que foram lançados neste ano. Assim se deu início a quebra da barreira de memória de 3GB imposta pela arquitetura de 32 bits.

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2012/11/23/historical-odyssey-qlikview-5

8. A versão 6 foi teve uma novidade que é relevante até os dias de hoje , o Multi-threading. Como o código teve que ser reescrito novamente, demorou mais tempo para sair sendo lançada na primavera de 2003.

https://community.qlikview.com/blogs/qlikviewdesignblog/2013/01/09/a-historical-odyssey-qlikview-6

9. Nas versões 4 e 5 cresceu bastante o numero de clientes do Qlikview e um deles criou um produto para administrar ambientes Qlikview que depois a Qliktech comprou o código fonte por que era muito bom e se chamava Qlikview Administrator.

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2013/04/22/qlikview-publisher

10. A versão 7 introduz a função AGGR e a geração de QVDs. Foi lançada em 2005.  Nesta versão foi feita a portabilidade para a arquitetura X64 desenvolvida pela AMD e que era muito mais barata que a Itanium. No fim a intel adotou também a arquitetura que hoje é o padrão para 64 bits.

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2013/05/06/a-historical-odyssey-qlikview-7

11. Versão 8 trouxe evolução em funcionalidades para o âmbito corporativo, principalmente na arquitetura do servidor com novos componentes como o web server nativo entre outros. Também é a versão em que foi introduzido o Set Analysis e interface WEB Ajax como alternativa ao plug-in que só rodava no Internet Explorer.

https://community.qlik.com/blogs/qlikviewdesignblog/2013/08/12/a-historical-odyssey-qlikview-8

12. HIC não escreveu nada sobre as versões 9 , 10 e 11 por serem mais recentes, mas posso destacar :

  •  A versão 9 introduz a nova console QMC que conhecemos hoje. Havia a versão simplificada e a avançada. Também é incluida a opção de recarga de documento no servidor Qlikview sem necessidade do Publisher.
  • Na versão 9 também é lançado o Qlikview Personal Edition. São introduzidos os gatilhos e ações para minimizar o uso de macros.
  • A versão 10 unifica a console QMC ficando somente a Enterprise. É introduzida a pesquisa associativa e o objeto Container, modo webview no developer, Extensões de Visualzação. Ela trouxe várias novidades na parte de Visualização de dados.
  • A versão 11 lança o conceito Social Business discovery, com recursos de sessão compartilhada para uso em reuniões e anotações em objetos. Também é introduzido o Estado Alternativo para Set Analysis além de diversas melhorias em análise e Layout. Lançada a primeira app Qlikview para IOS.  No lançamento desta versão o pessoal do Marketing cravou o termo “Business Discovery” para diferenciar a solução das ferramentas tradicionais de Business Intelligence. O app Governance Dashboard é lançado também. Também é lançado o Direct Discovery para lidar com grandes volumes de dados.

 

E para fechar a odisséia temos um video onde o HIC apresenta a evolução do Qlik ao longo destes 20 anos .

Espero que tenham gostado !

 

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *